International flight

quinta-feira, 24 de novembro de 2016

~ o dia de... uma assistente de bordo (what else?)


A few months ago dei uma entrevista a uma publicação bimestral do Porto, impressa e, luckily, online. Apesar de já ter saído há algum tempo (na edicação de Julho / Agosto) hoje decidi partilhar convosco a versão online e um cheirinho de como ficou o resultado final num dos exemplares que me chegou às mãos - com direito a chamada de capa e tudo! :D


A entrevista foi realizada no âmbito de uma rubrica intitulada "Um dia de..." que retrata os aspectos mais característicos de várias profissões. Escusado será dizer que o desta edição se tratou de (um dia de) uma assistente de bordo :)

Partilho aqui o link convosco.




De resto só tenho que agradecer à Anabela, jornalista que me entrevistou e à publicação em si, Praia Magazine, por me terem contactado e por todo profissionalismo prestado. Thumbs up para a equipa de edição que não modificou em nada o conteúdo, isto é, as minhas respostas.

Agora, relendo a entrevista com mais calma, sei que deveria ter dito mais isto ou aquilo, dado alguns números como, por exemplo, dizer que esta companhia aérea recebe cerca de 15,000 candidaturas por mês e que eu tive a sorte de ser uma das privilegiadas a conseguir um lugar com eles, em fazer parte dos 3% que realmente consegue o trabalho, se calhar modificava um bocado o que disse aqui e ali, enfim... penso tratar-se de síndrome de jornalista.

A verdade é que nunca estive habituada a estar deste lado, na cadeira do entrevistado but oh well... sabe bem! :D

Espero que tenham gostado tanto quanto eu - assim para o MUIIIIIITO - e que vos consiga ajudar, de alguma forma, a matar o bichinho da curiosidade e/ou a perceber um bocadinho melhor os prós e contras desta tão desejada profissão.

domingo, 20 de novembro de 2016

~ o meu pai escolheu o meu mais recente destino!!


Tudo começou com o "meu mês de prioridade", chamemos-lhe assim.


A probabilidade de ter os vôos que pedi para Novembro era muito alta sendo que lancei um desafio ao Carlinhos. Disse-lhe "pai, escolhe aí um destino na Europa, por ser perto para ti e por causa do budget, onde nunca tenhas estado antes. Caso consiga ter o voo, a minha prenda de anos para ti é o bilhete. Name it!". O Carlinhos escolheu Genebra e foi assim que passou o seu dia de anos comigo.



Esta é a história de como o meu pai escolheu o meu mais recente voo / destino e foi passar umas 24 horas comigo. 


Como não fazia sentido passar o seu dia sem a minha mãe e quem traz um traz dois, tive os meus dois progenitores comigo durante a layover em Geneva. Os papás, que aterraram uns 20 minutos antes, vieram no bus da crew para o hotel e, apesar de o captain me ter informado que podia pedir uma cama extra a custo zero, dormimos os três numa king size bed (eu no meio, claro!) :D

Visitámos o centro desta cidade super cosy, a parte antiga da mesma, passeámos perto do lago tendo-o atravessado também, comprámos fridge magnets e obviamente chocolates(!!!), fomos à praça das Nações Unidas e comemos grande "almojar" (mistura entre almoço e jantar).

No dia a seguir, depois de um super breakfast com tudo a que tínhamos desconto (até desconto para eles!) os meus pais voltaram a ir connosco para o aeroporto e, apesar de o dia em conjunto estar encerrado, ainda havia uma surpresa a caminho.



Uma vez que não podia levá-los no meu voo, visto regressarem a PT e eu à base, marquei uma surpresa com a SwissAir, companhia em que voltaram para o Porto. Uma caixa de bombons com uma mensagem personalizada minha para o Carlinhos.


Pelos vistos a crew, que não sabia do meu pai a bordo, fez um PA (public announcement) a pedir para o "Sr. Carlos Casca...ifjdfk... fazer o favor de se identificar". Quando o meu pai o fez deram-lhe a caixa de bombons e desejaram-lhe os parabéns. Coitadinhos dos meus pais que pensaram que era um gesto da companhia aérea até abrirem a caixa e verem a minha mensagem lá dentro! Consta que até rolaram umas single tears (MUHAHAHAHA) e o meu pai amou!!


Coincidência das coincidências, o piloto desse voo também fazia anos pelo que, no final, estava à espera de cada passageiro para oferecer um chocolate.
Pelos vistos, quando chegou a vez dos meus pais, uma das assistente de bordo identificou o Carlinhos como outro aniversariante pelo que o piloto deu-lhe os parabéns e outros 6 chocolates!!

Resumindo e concluindo acho que a passagem das 58 para as 59 primaveras do Carlinhos veio revelar-se numa verdadeira e surpreendente experiência... :) PARABÉNS PAI! :D

segunda-feira, 5 de setembro de 2016

~ parents on boaaaard!

Olá peeps! Hoje decidi vir cá tirar teias de aranha (desculpem pela ausência).

Podia falar sobre a incrível performance dos meus colegas de trabalho que, btw, honraram verdadeiramente o uniforme no incidente do voo EK521 no dia 3 do mês passado (verdadeiros heróis!!) e do tremendo orgulho que por eles senti ou até das minhas maravilhosas FÉRIAS nas Maurícias mas não.

Hoje não escrevo por isso. Hoje venho mesmo falar apenas da experiência que foi servir os clientes mais VIPs de sempre a bordo - OS MEUS PAIS! :D

Primeiro, vamos esclarecer o que realmente significa ter os pais como passageiros no vosso voo:

- pedidos especiais

- fotos, muitas fotos vossas na cabine

- meetings na back galley

- did I mentioned "photos" before







Apesar da vergonhaaaa foi o melhor DXB - LIS de sempre (até porque tive duas melhores amigas a virem visitar-me a Lisboa e a ficarem comigo no hotel) :)

Se tivesse feito de propósito não teria acontecido... No entanto quero deixar aqui uma dica ao pessoal da companhia: se tiverem a oportunidade de operar um voo com os vossos pais, relativos, outros familiares, amigos... façam-no que é incrível!

O voo é mais cosy não só porque voam para, neste meu caso, o vosso home contry como têm caras conhecidas a bordo, mais smooth apesar de toda a turbulência que possam vir a ter, o tempo passa mais rápido e o trabalho é mais diversão do que propriamente trabalho (ainda mais do que o costume, se forem pessoas felizes na cabine) plus ainda sabem que eles vão seguros e com atendimento personalizado, não só por nossa causa como, se tiverem sorte como eu, pelo resto da crew que foi espectacular comigo e com os meus pais :)

E, além de tudo, quando é que terão oportunidade de ter fotos vossas a divar na cabine? ahah ver-vos a nós próprios da perspectiva de um passageiro é... diferente (ó pra mim a trabalhar!!) :p

quarta-feira, 8 de junho de 2016

~ 365 dias depois

E, de repente, 365 dias passaram. Mas que ano! Quem diria que aos 23 ia viver sozinha (ou com uma indonésia, vá, e às vezes com um alemão), que ia começar a cozinhar, limpar e arrumar quase todos os dias, a gerir uma casa e pagar contas (pronto, só tenho umas duas por mês but still)... Ena cresci mesmo! Quer dizer, continuo a criança de sempre (e orgulhosa por não ter mudado nem uma pitada) mas as responsabilidades da vida adulta atingiram-me de frente.







Hoje tenho mais não sei quantos - opa, wallah, quem me dera saber o total! - países marcados no meu mapa pessoal mais outros tantos carimbos no passaporte, tenho mais mil e uma histórias para contar às mesas dos cafés de sempre, outra mão cheia de Amigos com A maiúsculo e uma conta bancária que nunca imaginei conseguir obter por mérito próprio com os 24 anos que agora somo.

Nem tudo são noites loucas em discotecas ao ar livre com bebidas pagas e DJs famosos, nem sempre o lifestyle no Dubai é o glamour que se imagina, de copo de vinho na mão numa praia de água cristalina. Nem sempre é festa, nem tudo é fácil. Há voos que são autênticos desafios, pessoas igualmente difíceis e dias que nos fazem ir abaixo. Cada vez que volto de Portugal chego com o pensamento de "mas o que é que eu estou a fazer aqui?" "Mas por que é que não mando isto tudo às urtigas se as pessoas com quem eu quero estar estão em Portugal?".

Mas depois penso no que conquistei, penso na minha família do Dubai e no que ainda está por vir. Nas coisas que ainda não vi, nos sítios que ainda não visitei, nas culturas com as quais ainda não contactei, nas situações com as quais ainda não lidei e nas pessoas que ainda não conheci. E quão aliciante é poder dizer "no próximo mês vou às Maurícias"? E quem diz Maurícias diz Phuket (ou fecha os olhos, aponta no mapa e diz "está decidido!") ou troca tudo por uns dias no Algarve com a família.

...E pergunto-me "e se não aproveitar agora, quando o farei?" E decido que não quero largar os hotéis de 5 estrelas, os biquínis lindos de morrer, as sapatilhas com luzinhas e as noites internacionais já (e que até posso trazer o meu Agros, a minha Gazela, bacon e pastéis de nata comigo para o sandpit). Que, apesar de perder datas importantes e o crescimento dos meus sobrinhos, há sempre o Skype, um voo de 8h a separar-nos mas que nos pode juntar para podermos pôr a conversa em dia ou mimar com presentes de todo o mundo e uma noite à borla na capital, nem que seja a trabalho, durante umas nunca suficientes 24 ou 48 horas.

Penso que neste ano me conheci a mim mesma melhor do que os restantes que estão para trás, que aprendi mais e vivi igualmente mais com tudo aquilo que aqui presenciei e que, caramba, afinal de contas tenho uma enorme rede de apoio cá com pessoas que alinham nas minhas loucuras. Que mais poderia eu pedir? Infelizmente sei que nunca iria ter isto se tivesse ficado e nunca tivesse arriscado voar. Não somos árvores, pois não? Não temos raízes. Podemos sempre mudar de sítio! - E quão maravilhoso isso é? :')

After all tenho pessoas que me acolhem às tantas da manhã nas suas casas depois de eu ter regressado de voos de 8h (LIS-DXB) e não querer ir dormir sozinha para casa e que me ensinam autênticas lições de vida tipo "como ser durona Serbian style em apenas 5 minutos", tenho pessoas que se certificam que não confundo os voos de madrugada e não falto ao trabalho e fazem maratonas de estudo comigo (com cadeiras a fazer de cenário só para eu visualizar o "a bordo" na minha cabeça quando o fritanço das 4 da matina já começa a bater), pessoas com corações do tamanho do mundo que me ensinam coisas básicas como coser um botão ou a ver a vida de outra perspectiva com sábios conselhos acompanhados a sangria, pessoas que me obrigam a arrastar o meu pesado e preguiçoso rabo para a praia ou para a piscina, que me tiram do sério e me dizem "tu és a pior" mil vezes por semana (ou que até por vezes me chamam de "Raquelinda" e me apanham a cantar no chuveiro com direito a vídeos no snap só para me irritar) e que eu sei que vou ter sempre por perto (ou que já tinha mas que agora também as tenho aqui comigo).

O bom disto é que não estamos sozinhos e o Dubai para mim não seria possível sem este punhado de Amigos que fazem a vida no deserto valer a pena. Estas pessoas fortes e corajosas são a minha família cá. São o meu dia-a-dia, nem que seja para meu chatearem ou irritarem de quando em vez. E quanto a isso eu só tenho que (lhes) agradecer. At the end of the day I really feel blessed :)


E que venha mais um ano (ou dois... Ou o que seja)! :D

sexta-feira, 8 de janeiro de 2016

~ valeu, Brasil


Foi como uma mãe ama o bebé mesmo antes de o ver. O momento em que soube que ia ao Brasil foi o positivo no teste de gravidez: já sabia que ia amar o país. Quando pisei São Paulo pela primeira vez quis logo conhecer este filho, especialmente pela escassez de tempo que sabia ter com ele.

A Avenida Paulista, a Óscar Freire uns quarteirões abaixo da Rua Augusta e o Parque de Ibirapuera são amor, que também está presente no calor, na energia em Santos, no rasgado sorriso pelos locais constantemente oferecido, no sotaque - claro está -, na banana frita, nas cores, no samba e nas movimentadas ruas da cidade paulista.

O Brasil são as artesanais barraquinhas de rua, é a água de côco em toda esquina, a descontracção em cada "meu bem" e "princesa", a caipirinha na mão, a picanha na barriga e a havaiana no pé.

O tempo não foi suficiente para ver tudo, mas quando é quando se se despede de um filho? Com ele fica a promessa de voltar: pelos biquínis, pela famosa 25 de Março querida pela eterna dona Márcia e os seus cachorros quentes, pelo açaí e pelo mercadão. Pela já alegria contagiada, por este encher de coração... Obrigadão! Valeu, Brasil.

sexta-feira, 17 de julho de 2015

~ from Dubai, with love


E um mês passou assim... a voar!! E havia tanta coisa que queria registar aqui em tempo real para tão pouco tempo. Plus só consegui ter wifi em casa esta semana. Há tantaaaa coisa a partilhar! 

Quanto à accomodation: sou uma sortuda! Tenho um bom apartamento com uma boa localização (vivo perto do aeroporto, de alguns sítios porreiros para sair e para ir para a training college... só tenho que atravessar a rua). Não me posso queixar da minha flatmate que é da Indonésia e já me cozinhou algumas refeições (who could have guessed: eu, que sou uma esquisitinha do caraças, fiquei fã da cozinha indonésia)! :)

Desde que cá estou - pois é, já vivo no Dubai -  já tive alguns problemazitos caseiros típicos de quem está a viver sozinha for the very first time - or not maybe it's just me... O:) - como, por exemplo, ter de instalar a cortina da banheira e precisar da ajuda da minha flatmate e do namorado dela (e isto aconteceu umas três vezes durante as primeiras semanas, uma vez que aquela porcaria continuava a cair). Ainda tenho hábitos de deixar a água a correr um bocado antes de fazer o que quer que seja mas, como é lógico, aqui não preciso de água quente para nada. Abro muitas vezes a porta debaixo do lava-loiça à procura do caixote do lixo e só depois é que me lembro que aqui temo-lo perto da porta da cozinha x)

Coisas boas de viver "sozinha": tenho os meus próprios horários para comer, dormir, sair, fazer o que eu quiser. Ando em trajes menores com as cortinas abertas (mas prometo que não se vê lá de fora, mãe), posso comer directamente do pacote (mãe, sou a única pessoa a comer as coisas que compro por isso posso, sim?) e se estiver demasiado lazy até sou capaz de deixar uma colher dentro do pacote dos cereais O:) Ah! E não faço a cama nem 2 vezes por semana como fazia nos dias em que a empregada não estava MUHAHAHAHA

Desde que cá estou já coleccionei tantas peripécias... Desde estar com a batchmate Joana (também tuga) cá em casa e termos de aquecer chicken drumsticks na banheira com água quente a ter de almoçar com a batchmate Ewelina dentro de uma casa-de-banho pública do IKEA porque nos esquecemos totalmente que era Ramadão!

Anyway, o OUAS serve para partilhar a minha experiência enquanto a (soon to be) cabin crew e por isso tenho a dizer que o primeiro módulo do treino, que dizem ser o mais complicado  - ESTÁ FEITO! Como e quando I honestly have no clue e enfatizo o "quando" uma vez que, quando achava que só tinham passado alguns dias since my date of joining já tinha passado um mês inteirinho! Abri os olhos e pronto, os 13 intensos dias de treino de Safety and Emergency Procedures (SEP) mais o resto do mês estavam completos. Eu e o meu incrível batch (que é basicamente a minha "turma" que, simultaneamente, se tem vindo a tornar a minha família de cá) estamos de parabéns porque todos passámos successfully e temo-nos vindo a revelar numa amazing team.

...Mas no que é isso de SEP?

- É aprender a evacuar o avião em caso de (un)planned emergency em terra e no meio do oceano, por exemplo

- É aprender a abrir e fechar e a (dis)arm as portas do avião com os seus mil e um procedimentos
- É aprender a combater fogos
- É aprender a agir em caso de turbulência e decompression
- É aprender as regras on board 
- É aprender each and every emergency equipment e a sua exacta localização a bordo e os respectivos pre-flight checks e kits
and so on, and so on (and still it will be so much more than that...).

- É aprender a gerir o tempo (ou não porque, once again, não o temos), many short sleeping nights e Redbull à mistura e alguma bravura com uma pitada de sorte de quem se deu ao luxo de pensar a quite few times "f*chk this sh*t, I cannot study anymore... que o exame seja o que Deus quiser"! É aprender a acreditar em nós próprios e nas nossas capacidades e, sobretudo, é um enorme alívio e sensação de dever cumprido e de coração cheio no final, sobretudo porque aprendemos - no nosso caso que somos main fleet -, tudo e mais alguma coisa sobre dois tipos diferentes de avião, 4 no total: Boeing 777 (B777) e Airbus (A330, A330-340 e A330-500). Dá para imaginar a quantidade de informação processada em 13 dias?

However, só quero deixar esclarecido que, uma vez dentro do esquema, e também agora olhando para trás, SEP não é nenhum bicho de sete cabeças ou o monstro do Loch Ness.

E, btw, a resposta à pergunta acima é mesmo sim, dá. Tanto dá para imaginar como até dá para conseguir chegar ao fim vivo e com boas notas and I can ensure you that! :D

...E tudo isto enquanto temos uma casa para gerir, contas para abrir no banco, TPC's (é verdade, voltamos ao tempo dos homeworks), paperwork para tratar, possíveis consultas na clínica, provas do uniforme e assessment todos os dias (práticos e teóricos) including safe talks e toda uma adaptação - not sure about this one because... adaptation? What adaptation? I don't even saw it!!! - a uma nova cultura, um novo país cujas semanas começam ao domingo e os fins-de-semana são à sexta e ao sábado, novos hábitos e rotinas, really spicy and hot food com temperaturas até 40º e tal graus Celsius e... em pleno Ramadão! Maaaas... não me vou alongar mais para não estragar o factor surpresa para os lucky ones que se seguirem ;p

Entretanto consegui inventar tempo - just kidding, foi antes do training começar logo it doesn't really count - para ir ao Souk Al Bahar, ao Dubai Mall, ver o world's largest choreographic fountain system set e para visitar tallest building on earth (and just to let you know estas coisas ficam todas no mesmo sítio). Everyone, meet Burj Khalifa!! ->

Ah! E também consegui visitar a Al Rashidiya Grand Mosque (e não, também não conta. Foi uma espécie de school trip uma vez que estava marcado no nosso schedule ahahahahah). 








Vá, também já fui à piscina (praticamente todos os nossos edifícios têm uma), já saí à noite e já jantei fora (cozinha japonesa, libanesa, indonésia e mexicana) por isso not so bad after all ;) tem dado para explorar alguns sítios.

Mas o que vem depois de SEP? GMT!!

...E ontem tivemos o nosso exame final de Group Medical Training (GMT), pelo que consegui arranjar um tempinho para actualizar aqui o cantinho e contar algumas novidades. Agora é a aproveitar o weekend para sair, pôr o sono em dia e fazer as compras para a casa, uma vez que não sei quando terei mais fins-de-semana dignos do nome (e aposto que tão cedo não se repetirá...).

A ver se no próximo post partilho mais algumas das mil e uma fotos que tenho para ilustrar este último mês e se desvendo os mistérios de GMT e se entretanto consigo explicar as restantes fases até finalmente se chegar aqui, ao Dubai (mas basicamente depois da golden call é a correria das vacinas, papelada e malas e puff! Quando derem por vocês já cá estão!! :)

sábado, 16 de maio de 2015

~ golden call

Nos dias a seguir ao nosso estado online do portal da candidatura no site da EK modificar para JFIP o telemóvel passa a ser o nosso bff (pelo menos até a "chamada dourada" aterrar ;)).

Eram exactamente 01.29pm quando vi o indicativo "+971" e a localização "Emirados Árabes Unidos" no visor do telemóvel. Toda eu era saltinhos e nervosismo (ainda tentei tirar um print screen mas tive medo de, sem querer, rejeitar a chamada)! Fui a correr agarrar na primeira caneta e no primeiro bloco de notas que me aparecessem à frente, para o sítio mais sossegado possível para poder absorver tudo o que do outro lado me dissessem.

Durante a GC perguntam qual o nosso estado civil, situação profissional actual, se já alguma vez estivemos nos UAE e confirmam a partir de onde nos iremos juntar a eles - neste caso referi que sou do Porto mas, como a Emirates ainda só voa para Portugal até Lisboa, acrescentei logo que estava disponível para me juntar a partir da capital. Mais importante ainda, dizem-nos qual é a nossa DOJ. 

Depois de me dizerem a minha (que por acaso é, ironia das ironias, dia de Portugal, Camões e das comunidades portuguesas), e de eu confirmar umas 50 mil vezes que era June e não July e dia 10 e não outro qualquer - a maioria dos meus colegas que já havia recebido a GC parte dois dias depois de mim -, soletraram o meu email para o poder confirmar.


Isto porque no prazo de 3 dias receberemos um email com credenciais para acedermos ao selected candidate portal da EK onde podemos aceitar o contrato e começar a a fazer upload da papelada oficial - depois do verdadeiro teste à nossa paciência começa a rush para ter parte dos documentos preenchidos a tempo (5 dias após aceitação do contrato) para depois voltarmos ao exaustivo waiting game. Btw, vou ajudar os mais ansiosos a iniciarem-se nesta belíssima prática e deixar-vos à espera das restantes etapas meaning dos próximos posts. Bom jogo! ;)